Era só uma piada e esse blog era pra ser engraçado…

muita

Eu nem gosto da ideia que todo branco é racista, mas é tentadora a aceitação dela com a rapidez da proteção do branco quando este comete racismo.

É a televisão, é a turma do deixa disso, é o Pelé, todo mundo tem um monte de conselho pro negão atingido com xingamentos racistas, todos dizem que ele exagera, se vitimiza, pega pesado.

Todos são excelentes especialistas na passagem de mão na cabeça dos brancos coitados, pobres tolos, que erraram e de pressão para que o negão que se fode todo dia tomando na cabeça de uma sociedade racista não leva às últimas consequências a reação à canalhice que é o ato racista.

É mole ser coitado como fiofó alheio. É mole ser branco e pagar esporro no negão que tá fazendo valer seu sagrado direito a não entubar racismo.

“Ah, mas o Pelé concorda que Aranha exagerou e é negro!”. Amigo, o Pelé calado faz o Fernando Pessoa parecer poeta principiante que vende poema em boteco da Lapa. Romário merece um Nobel só por ter cunhado essa frase.

Esse conjunto da obra do perebismo protetor do racismo, machismo, etc, que vai da TV ao Pelé, é um sintoma da doença social que produz um bando de branquinho meia boca todo trabalhado no iphonismo com sucrilhos que acha que vivemos numa ditadura comunista porque a empregada não quer fazer nescau pra ele depois do horário.

Sim, a criação mimada de um bando de branco que faz muxoxo quando o negro fala, e por isso sai da sala com veludo nos tamancos, é um sintoma da doença social de uma sociedade racista e burra.

Racista, burra, mimada e grosseira, incapaz de assumir qualquer merda de responsabilidade, inclusive a própria marra racista e autoritária que põe o galho dentro quando o negão põe a baiana pra girar.

A rapaziada quando toma na cabeça fica revoltada dizendo “Ah, os brancos são culpados por tudo”.

Mas são mesmo, oras! Da devastação ambiental ao genocídio indígena, a diáspora africana e o extermínio da população preta, a bomba atômica, etc… Tudo isso é invenção do branco, ocidental, oras! Assume!

Só o machismo e o patriarcalismo que eu distribuiria por igual, mas o resto é tudo filho dileto da razão, do iluminismo, da civilização ocidental.

Sim, amiguinho, o branco que matou uma pá de civilização, o branco que comercializava preto (E não seja imbecil de dizer que outras civilizações também escravizavam, vai estudar!), o branco que matou judeu pra cacete, o branco que jogou bomba atômica, o branco que inventou a civilização do petróleo, o branco que inventou o Danilo Gentilli e o branco que acha que racismo, machismo e homofobia são piadas, ironias, descuidos, do alto de sua branquelice sem noção.

A culpa, amiguinhos é branca.

Transformar tudo isso em piada é só uma piada mortal.

O body count real só não é pior do que a contagem de bom senso mandado às favas em nome da supremacia do próprio privilegio.

Enfim, a ideia da piada, ironia, descuido é até fofa se não fosse cômoda de um bando de jegue incapaz de reconhecer a própria ausência de noção e de melhorar enquanto gente.

Esse blog era pra ser engraçado.

Anúncios

Humor

kkk_humorO que é humor, onde vai dar, porque me deixa assim?

Danilo Caymmi poderia ter feito esta música, mas como tem bom gosto não fez.

Leon Eliachar disse que humor é fazer cócegas na inteligência e seja lá oque isso signifique me parece extremamente importante diante dos humores que ainda usam máscaras de negros para fazerem rir.

Ser negro é engraçado? Me pergunto buscando evitar os botões do Mino Carta não só para não plagiá-lo como para evitar internações compulsórias dado o ridículo de um homem da minha idade falando com botões.

Não me parece hilário ser negro, ou triste, ou estóico ou bruzundanga, seja lá oque isso signifique. Ser negro me parecer com ser negro o que para um negro deve ter vários significados, além do óbvio de ser alvo prioritário da polícia sem muita escolha, mas não me parece engraçado de per si.

images (2)E ser pobre? Ser pobre é engraçado, eu particularmente não acho anda engraçado ser pobre, pegar trens e metrôs cheios, sofrer pra pagar contas quando as paga. Não me parece inteligente rir do estereótipo de preto ou pobre, como também não é exatamente inteligente rir de gays , lésbica,s mulheres, anões, cães amestrados ou duendes.

Não é exatamente engraçado rir de rótulos de maionese, é? Assim como este texto rir de rótulos é um tanto quanto sem graça e também idiota.

Já se imaginou gargalhando ao olhar um rótulo de maionese no supermercado? Tá la’você, sua esposa, sua peguete, sua namorada, sua companheira, aquela mulher com quem você vive, aquele homem, aquele marido, aquele parceiro,s eu cachorro ou seja lá com quem você vai no supermercado, emfim, tá lá você do lado de quem quer que seja e começa olhar um rótulo de maionese e rir desgraçadamente.  Imagina a cena devagarinho, beeem devagar, pensa no caixa, no gerente do supermercado, no papai noel da loja, no duende, na criancinha do seu lado, no paio e  na calabresa expostos diante de ti e você rindo deles ou da maionese.

cedric-the-entertainer-2012Imaginou? Então, não consigo ver uma piada inteligente que faz relação com paio e piroca ou com rótulo de maionese, como ver então uma graça em rotulagem pejorativa de pessoas que coloca preto como igual a burro e feio ou pobre como igual a burro, feio, fedorento, estúpido e arrivista. Cê acha engraçado? Se tu não for pobre a gente lamenta o mau gosto, mas se tu acha engraçado e é pobre, mano, como lidar com um sujeito que se auto-sacaneia? Rir do rótulo pejorativo da pobreza é que nem roubar sua própria carteira e pior, se denunciar pro delegado.

“Seu delegado, acabei de me assaltar!” imaginou a  cena?

Rir de piadas de preto, judeu ou gay é parecido. Se tu é negro então, mano, eu imagino se tu riria da situação de tu mesmo dizendo aos outros que se viu andando do outro lado da rua e correu porque era assalto.

imagesFaz parte do humano o rir e rir faz parte também das opções políticas que temos, então rir de piada racista ou homofóbica ou machista é um riso maléfico do mal sanguinolento de supremacia, manja?

Se a piada é racista tá rindo do que? Toda gargalhada tem um pouco de navio negreiro.

Humor aqui então vai ser um troço diferente, parecido pra caramba com bobagem e levemente destilado na galhofa.

Galhofa esta que é prima dileta do FEBEAPÁ do Sérgio Porto, nosso Lalau, Stanislaw Ponte Preta, que se tenta Verissimo, Laerte, Dhamer, os citados ao lado.

Farei aqui um humor que não se vende, embora se empresta a juros.

Farei aqui um humor combativo, embora que tenha cu tenha medo.

Farei aqui um humor engraçado, ou algo próximo disso, sem chutar a bunda de fudido.

E chega dessa ladainha.