O futuro do Fluminense passa por Roger Machado

roger

Pedro Abad na entrevista coletiva que deu após ser eleito presidente do Fluminense para o próximo triênio de a declaração mais acertada que um presidente poderia ter dado: “Meu sonho é ter Roger Machado como técnico do Fluminense”.

Essa declaração se junta à ênfase do papel de Marcelo Teixeira no futebol e da necessária profissionalização do departamento com uma hierarquia composta por vice-presidência de futebol, direção executiva e gerência de futebol, compondo um quadro de avanço em relação a gestão Peter.

Tive uma relação bem complicada com a candidatura Abad e vim a apoiar Mário Bittencourt, mas jamais poderia deixar de ver com bons olhos que o presidente eleito não seja nem parte do passado como Celso e Gonzales (apesar de Gonzales fazer parte do MR21 que veio a apoiar Abad, embora pareça que tenha sido derrotado no interior deste movimento).

Além disso, Abad e Mário Bittencourt representavam, ambos, um tipo de gestão que partiria do que Peter deixou de legado pra corrigir suas falhas no Marketing e no Futebol, ao menos ambos pregavam exatamente isso apontando cada um à sua forma uma necessidade de reestruturar ambas as áreas negligenciadas pro Peter nos seus dois mandatos.

Não vi detalhadamente os planos de Abad e sempre tive dificuldade em vê-los detalhados como vi os de Mário e tenho lá minhas desconfianças, mas, pelo menos no futebol, o plano de Abad não se distancia tanto do de Mário com uma estrutura profissional de gerenciamento, um conselho consultivo e a presença de Teixeira como homem-forte.

Há notícias de Pedro antônio como vice de futebol, Marcelo Teixeira como diretor Executivo, Fernando Gonçalves ou Alexandre Torres como gerente de futebol.

Acho que Pedro antônio tem uma enorme habilidade, a de tocar projetos complicados e a meu ver seria interessante que ele tocasse o projeto do estádio, não acho que colocar PA no futebol seja prudente. Já deixou claro que tem fortes ambições políticas e é essa área a mais sensível a pressões políticas. PA inclusive faria o que acusaram Mário de fazer sob Peter, sem a menor sombra de dúvida. O ideal seria deixá-lo fora do futebol.

Pra mim a estrutura seria essa com outros nomes.

Precisamos de um vice-presidente de futebol incontestável e pra isso eu chamaria o Parreira, inclusive como forma de literalmente apressar a ideia de união pelo Fluminense pregada por todas as chapas no minuto seguinte pós-eleição. A partir de Parreira como Vice-presidente não remunerado colocaria o Teixeira de diretor executivo e o Alexandre torres de gerente de futebol, aproveitando inclusive que Teixeira e torres vêm de uma cultura gerencial ligada ao Manchester United, deixaria o Fernando Gonçalves quieto no canto dele no Flamengo, evitando problemas no Flu e com o Fla.

A partir dessa estrutura definiria com o Roger Machado pra ontem de tarde às sete da manhã e pra tocar um projeto de longo prazo, pelo prazo do mandato Abad inteiro, com total apoio do presidente e toda a estrutura, dane-se os resultados imediatos.

Roger é a cara do que o Flu precisa, teria um bom elenco na mão e uma fonte inesgotável de recursos em Xerém.

O futuro do Fluminense passa por Roger Machado tanto pela sua concepção de organização tática ser a cara dos elencos que produzimos a partir de Xerém, quanto pela cultura de organização e gerenciamento de futebol banhada pela similaridade com Tite, ecoando na cultura de organização do Marcelo Teixeira e que também produzimos em Xerém.

Além disso Roger tem um diálogo rico com a base e poderia ser de fantástica contribuição pra nossos técnicos e jogadores do profissional ao fraldinha, quanto pro projeto Samorin e tudo o que ele simboliza.

O Fluminense necessita de um choque de profissionalismo no futebol e Abad começa bem ao sonhar com Roger e empoderar Marcelo Teixeira, necessita concretizar isso organizando o futebol de forma profissional e que trabalhe no longo prazo, pensando o futuro.

Pra isso nada do populismo dos reforços a qualquer preço.

Precisamos de reforços? Precisamos de um técnico.

O elenco do Fluminense é igual ou melhor aos elencos do Botafogo e Atlético Paranaense, mas ambos tiveram técnicos de razoáveis a bons, modernos e que exploraram ao máximo a força de seus times. O Fluminense não, teve um técnico que conseguiu não usar Fred e Diego Souza, mandar jovens talentosos pra outros clubes e pedir reforços que nunca usou.

Teremos Sornoza e Orejuela, que chegam para serem titulares. Eles, junto com Douglas, Scarpa e Cícero, formam um meio campo moderno e de respeito.

No ataque temos Wellington, Richarlisson, Pedro, Maranhão, a volta de Michael, Dourado, etc que formam, cada um a seu modo, um ataque rico de opções. Os quatro primeiros são tecnicamente de bons a excelentes, mas se perderam na bagunça tática e na pouca habilidade do medalhão caro trazido pra agradar uma torcida tola. Michael é o melhor centroavante que Xerém produziu nos últimos anos junto com Pedro, ambos melhores que Dourado, e tem tudo pra ser um excelente reforço.

Dourado é bom reserva, mas seria interessante discutir se ele deve permanecer ou não, com Michael voltando não faz sentido mantê-lo. Pedro e Michael são centroavantes com características parecidas às de Dourado e de melhor qualidade técnica.

Na defesa temos Henrique, Nogueira, Renato Chaves, Gum e Alan Fialho. Se Gum sair perdemos em experiência, mas exceto Fialho, que não conheço, os demais são melhores tecnicamente que ele e similares ou melhores em rebatidas e posicionamento.

Eu manteria Gum no elenco, é capitão, líder, bom zagueiro e tem uma excelente postura profissional. A má vontade de mídia e torcida com ele na maioria das vezes ignoram as situações que o sistema defensivo põe em cima de todos os zagueiros do Flu desde 2012. Mas Gum por seu papel na história do Flu também deve ser preservado e por isso entendo que ele venha a sair e até apoio se for bom pra ele economicamente e pro clube.

Sem Gum, eu subiria da base um quinto zagueiro pra junto de Renato chaves, Henrique, Nogueira e Fialho ser trabalhado e disputar posição. Não faz sentido contratar zagueiros sendo a média disponível no mercado de qualidade igual ou inferior ao que temos em casa. Arthur volta, mas não vem bem dos empréstimos, eu doaria pro Botafogo.

Nas laterais teremos a ida de William Matheus e Jonathan, mas teremos a volta de Léo Pelé e de Renato e a manutenção de Wellington Silva, Julião e Ayrton, além de podermos contar com Breno Caetano de jovem valor da base. Tentaria subir mais um ou dois laterais pra direita e esquerda e testá-los com o elenco. Caso fosse necessário buscaria um reserva para Léo e Wellington Silva pro Brasileiro, pois titulares temos.

Wellington Silva titular? Sim, foi líder de desarmes no Fluminense e o maior responsável pela solidez defensiva do time quando a defesa era uma das melhores do campeonato até o Levir pirar e mudar a cada dez dias a estrutura do meio campo, destroçando qualquer mínima organização tática possível.

Aliás, a perseguição a Gum e WS foi injusta também por isso: Louvava-se Pierre e Edson como contenção enquanto eles eram parte fundamental do desastre tático do time do Fluminense. Com eles perdíamos qualidade de saída de bola, tínhamos mais rebatidas e perdíamos sempre o meio campo.

Léo foi bem no Londrina, Renato foi muito bem no Avaí jogando no meio, o que abre espaço pra ele jogar em outra posição e também ser usado como lateral.

No Gol eu daria chance pro Marcos Felipe, manteria Cavalieri como mentor e líder e mandaria o Júlio César passear.

Com esse elenco e Roger Machado com a estrutura que temos e tempo pra trabalhar, blindado e com suporte pra ficar o tempo que quiser teríamos no mínimo uma vaga pra Libertadores no fim de 2017.

Qualidade técnica temos, estrutura temos, precisamos de organização tática, ideias modernas, time jogando com a intensidade que o futebol atual exige e que aproveite a juventude e a boa técnica de nossa base e do elenco que temos.

Roger é fulcral pra isso, é central pra explorarmos ao máximo Xerém e o elenco que temos que foi subutilizado e desvalorizado pela ansiedade de uma gestão temerária do futebol e por técnicos obsoletos ou escolhas desastradas de reforços como R10.

Os únicos capazes do que Roger pode fazer e que trabalharam no Fluminense foram Enderson e Eduardo Baptista, que foram fritados pela junção de pressão política suicida com má gestão do futebol.

Com a nova gestão apontando pra profissionalização e modernização do futebol é fundamental que Roger seja contratado e que conquiste o respaldo pra ter o tempo necessário para que use nosso elenco da forma mais rica possível.

Veja o que Roger fez com Luan, Éverton, Pedro Rocha, como descobriu Geromel, etc, produzindo não só bons jogadores, mas ativos pro clube.

Roger é central para o novo Fluminense, e Abad sabe disso, espero que concretize seu sonho.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s