CURTINHAS TÁTICAS e POLÍTICAS: sobre Fluminense x Avaí

fred-fluminense-x-avai-campeonato-brasileiro-2015-22112015_7mh51gvbyo3t1s6f1nvg586nb

Por Gilson Moura Henrique Júnior

  • O Fluminense entrou em campo efetuando um teste tático. Eduardo Baptista escalou Cícero avançado, na função outrora exercida pelo Gérson, com Jean e Pierre de volantes, Higor de Lateral e Wellington Silva improvisado na lateral esquerda.

  • O teste funcionou parcialmente no primeiro tempo no plano defensivo, Higor não teve trabalho como lateral aproveitando a cobertura do Jean, Pierre protegeu bem a zaga e exceto o problema crônico de Wellington Silva com o flanco que deixa, e sua absoluta incompetência como passador para aproveitar triangulações com Scarpa, a proteção da esquerda funcionou bem.

  • A questão defensiva pelo lado esquerdo do Fluminense tem de dar um desconto imenso para a excelente atuação do Marlon, a melhor em muitos jogos. Pelo lado direito foi o inverso, a proteção de Jean e Pierre ajudaram Higor e Gum e não terem expostos seus piores aspectos e a terem uma boa atuação defensiva.

  • Higor funcionou defensivamente como lateral,mas ofensivamente ainda se pensa como meia, o que acabou prejudicando a equipe em muitas jogadas, quando embolava com os outros meias, Cícero incluído, e se atrapalhava ao descer na linha de fundo.

  • No segundo tempo o Avaí soube explorar o principal defeito deste teste: A péssima qualidade de saída de bola de Jean e Pierre,prejudicada imensamente pela ausência de Cícero ali.

  • Cícero durante todo o tempo em que jogou avançado se mostrou inerte, demonstrando a imensa dificuldade de posicionamento quando joga exposto à marcação de volantes e zagueiros,atrapalhou mais que ajudou a Scarpa e Marcos Júnior e ocupava muitas vezes a posição do Fred, embolando com ele.

  • Com o Avaí se aproveitando das brechas táticas dadas pelo Flu foi quase natural que o Avaí dominasse boa parte do segundo tempo e tomássemos sufoco. Era natural diante da pior partida tática do Fluminense em muitos jogos. Era até irônico estarmos vencendo exatamente numa partida como essa, diante do fato de já termos jogado partidaças onde perdemos, isso com Eduardo Baptista.

  • Quando Eduardo acabou com o teste, recuou Cícero pra posição onde melhor joga,tirou Jean e pôs Oswaldo, que desta vez não foi espetado como ponta,mas jogou flutuando e revesando com Scarpa entre a direita e o centro, o Fluminense retomou o domínio da partida.

  • Com a retomada do domínio da partida faltou resolver o problema do flanco esquerdo, e Eduardo o resolveu ao por Ayrton no lugar de Wellington Silva.

  • Wellington Silva até faz partidas melhores como lateral esquerdo do que como lateral direito, que avança de forma inteligente pelo posicionamento,mas erra demais na finalização das jogadas, passa mal e ainda não aprendeu a cruzar de esquerda,ou a se posicionar melhor pra receber a bola em condições de cruzar de direita (O que convenhamos não é exatamente uma qualidade dele).

  • A partir das mudanças táticas e do fim do óbvio teste do Cícero adiantado o Flu melhorou e foi fatal, quase concretizando uma goleada e só tomando gol a partir de uma pintura do Léo Gamalho que tem muito pouco de falha de marcação e mais de mérito do jogador, ainda mais que foi numa hora de abafa do Avaí jogando desesperado e sem qualquer organização tática.

  • Não dá pra chamar o time de frouxo ou com domínio estéril da bola, até porque isso só ocorreu no primeiro tempo e no fim, do segundo. O Fluminense jogou com raça,atuou com disciplina tática,mas mal organizado taticamente a partir do teste com Cícero avançado,algo até natural.

  • O teste foi positivo, neste momento onde tínhamos quase zero de chances de rebaixamento era a hora de tentarmos ver possibilidades de armação, neste ponto Eduardo tá de parabéns,assim como pela correção feita pra matar o jogo.

  • O Flu hoje é uma promessa de um time competitivo e precisa de ajustes e peças, a maioria disponível na base ou entre os emprestados que retornam.

  • Pra 2016 precisamos de um zagueiro pra ser titular, que pode ser Nogueira, e mais um reserva de qualidade, se o Arthur não for utilizado e se mostrar ser este jogador. Precisamos também de um centroavante que faça bom pivô.

  • Oswaldo se revelou melhor jogador pra flutuar no ataque usando as brechas existentes entre as linhas de volantes adversários do que o jogador agudo pelas pontas que foi do Ceará pra o SPFC e jogou muito mal no Fluminense desde que chegou,pode ser útil em 2016.

  • Wellington Paulista não pode jogar de centroavante,como tem contrato era bom usá-lo como jogador de lado,caso ele não saia pra 2016, até pra saber se dá pra tê-lo no elenco. Hoje ele só funcionou ali, o que é muito pouco. Mas é de elogiar sua assistência pro gol do Fred.

  • Gum é bom zagueiro que viveu péssima fase física e técnica em 2015, deveria ficar no Flu, tem história, ama o clube e é ótimo pra compor elenco, inclusive por respeitar o clube, a diretoria, a torcida, que nem sempre o respeita.

  • É preciso que a torcida tenha paciência com esta equipe,o técnico e o futuro que se apresenta, que tem tudo pra ser surpreendentemente positivo.

  • Analisar o time com a análise política contaminando a análise tática é ruim, se ficarmos presos ao senso comum de “Jogadores apáticos” ou “faltou raça”, etc, fica complicado,pior ainda quando são blogueiros do Fluminense que cometem esses equívocos.

  • Raça não tem faltado ao elenco,nem tática. Muitas vezes faltou técnica, controle e sorte, raça ou tática não tem faltado, ao menos desde que Eduardo Baptista assumiu.

  • Sobre Mário Bittencourt e Simone: seria bom que fizessem uma análise contemplando erros e acertos,sem expor jogadores ou o clube. Pedir pras Vice de Futebol dizer que errou ao contratar Wellington Paulista é tolice,até porque todo o elenco se sentiria aviltado por um dirigente queimar jogador em praça pública. Se você é torcedor e pede isso eu lamento, se você é “Flupress” fica complicado, porque já é irresponsável.

  • Se Mário e Simone fizessem autocritica de terem trocado demais técnicos, terem tido pouca convicção sobre que tipo de técnico queriam e sobre terem alterado objetivos do time no campeonato sem maior cuidado analítico,empolgados por desempenho em um determinado contexto,sem refletir sobre elenco,etc, já valia.

  • Acho que ano que vem a política do clube apresenta uma batalha entre modelos de clube: A situação defende um modelo de sustentabilidade que por vezes não traz resultados esportivos,mas projeta um futuro melhor e um modelo que põe o lado esportivo à frente de qualquer planejamento pensando no futuro.

  • A lógica da supremacia do esportivo sobre a sustentabilidade global do clube pode ter eco na torcida,mas foi a quem construiu uma das maiores dívidas entre os clubes, que quase nos rebaixou em 2004,2006,2008 e 2009 e contribuiu muito pra nos rebaixar em 2012, ao fechar o fluxo de caixa como forma de pressão política, que trouxe Luxemburgo,caro e obsoleto e que em 2015 quase vendeu o Conca pro Flamengo.

  • Neste sentido ainda acho que Mário Bittencourt,se candidato for, é o melhor pro clube. Acredito que ele vá corrigir os erros cometidos em 2015 e planejar melhor a temporada de 2016,especialmente se construir com Eduardo Baptista, Simone,Fred e Peter uma equipe de gestão, envolvendo da presidência ao elenco.

  • De resto ontem nos livrou de vez de qualquer fantasma, apesar da pior partida desde que Baptista assumiu o time e nos aponta caminhos. Com pré-temporada e tempo de ajustes temos tudo pra termos um time taticamente forte, que joga com intensidade, que revele mais jogadores,que permita à base crescer, que seja competitivo e que tenha chances reais de títulos,especialmente em 2016 de títulos de Mata mata.

  • E que Golaço do Fred,hein?

Erros e Acertos do Mário Bittencourt, o Flu, 2016, a oposição e a corneta

19551528583_f0a2291e79_k

Por Gilson Moura Henrique Junior

Falar do Fluminense hoje em dia é ter de lidar com um viés de parte da torcida, incitado por sites tricolores,blogs tricolores,etc e tal que pouco analisam, cornetam muito e tratam o Fluminense ao sabor das úlceras e das próprias ilusões, ou de coisas como “O Fluminense tem de disputar título sempre!”.

E tudo muito bonito se não fosse escrito pra milhões de pessoas pouco afeitas ao uso do cérebro quando se trata de futebol.

Quando escritores que escrevem pra milhões esquecem da responsabilidade disso e atuam apenas e somente como vozes do torcedor comum, e vivem orgulhosos disso, a coisa desanda.

É como o cara que defende Bolsonaro porque “fala verdades” ou ecoa o desejo manco do senso comum de “bandido bom é bandido morto”.

O mundo tá cheio disso em todas as áreas, futebol inclusive, o que dá dor de cabeça é parte da torcida do Fluminense “ilustrada” e com a caneta na mão repetir pra dentro o comportamento que sofremos de fora pra dentro.

Como assim? Bem, somos analisados com ódio por metade mais um da crônica esportiva, blogueiros,editorias,redações,etc que pouco analisam concretamente,mas muito cornetam, atuam plantando boato, pressionam,incitam uma torcida pilhada desde 2013 por um contexto interno e externo bastante atribulado.

Desde o Lusagate até a saída da Unimed o Fluminense mal vive dias de paz, mas dane-se se tem ou não grana, dane-se se a torcida tá sofrendo, dane-se se todos os jornais nos culpam por viradas de mesa que salvaram Inter,Botafogo,Corinthians, CAP e Flamengo, dane-se isso tudo porque parte da própria “Flupress” (Do Blogueiro do GE até sites tricolores como Flulink e O Tricolor) não quer nem saber. Ela vai ser a “voz do torcedor”, dane-se se “o torcedor” for apenas uma galera que viu Rivelino jogar, que acha que Fred é custo demais pra pouco Benefício ou que vê Kennedy como pereba e Gérson como chupa sangue, mesmo com números e passes decisivos provando o inverso.

Ou seja, parte da “voz da torcida tricolor” não difere muito da voz contra a torcida tricolor.

Por que escrevo isso?

Porque pouco ou nada é escrito,pensado e dito por essa galera com um cuidado para com o Fluminense e a torcida tricolor que não seja exatamente igual ao que é direto,pensado e escrito contra a torcida tricolor nos portais,nos jornais, nas TVs.

Da análise de jogador ao técnico, nada é analisado com um mínimo de seriedade e estudo. Dependesse dessa mídia “tricolor” não renovaríamos com Fred, mas sim com Conca, não subiríamos Gérson,Kennedy, Marlon,teríamos um Muricy caríssimo e obsoleto, ignoraríamos o futuro do clube pra enfiar três mil medalhões de gosto duvidoso no time,mandando pro cacete qualquer equilíbrio financeiro,tudo em nome da lógica Celso Barros de ver futebol.

Essa galera não liga pro fato de ao termos quatro técnicos esse ano qualquer análise sobre o conjunto do time fica prejudicada.

Essa galera não liga pra análise dos jogadores tendo em vista sua idade,maturidade, relação com o grupo,números,etc.. Não à toa muitos analisam o Fernando Bob,hoje na Ponte, com a mesma análise de 2010, chamando-o de pouco participativo,mesmo ele sendo central na Ponte,como foi importante em vários jogos nossos em 2010. Não à toa Gérson, um dos líderes do time em desarme e assistência, autor de passes e gols decisivos, é tratado como chupa-sangue,como Kennedy foi tratado como Pereba.

Essa galera não liga que chamou Scarpa e Marcos Júnior de “fracos”, e jamais fizeram autocrítica pelas bobagens que disseram. Vinícius? Lucas Gomes? Não eram o suficiente, tragam medalhões! Ai trouxeram Osvaldo e R10, deu ruim,mas eles não erram, o erro foi de Simone e Mário.

Agora Vinícius é central, Eduardo não pode, é ruim e fraco (Mesmo sendo vice líder de assistência da série B e dos melhores jogadores do campeonato). Biro Biro tem de voltar,mas era horroroso em 2014. Olivera não pode ser aproveitado,tem de trazer medalhão,mesmo tendo sido dos melhores jogadores da MLS.

Técnico? Eduardo Baptista já e contestado,mesmo visivelmente tendo transformado um time que tinha desmoronado em um time difícil de ser batido e que vem jogando bem,mesmo não conseguindo vencer nem Grêmio nem Chapecoense, times com dois dos melhores técnicos do Brasileiro 2015, Roger e Guto Ferreira.

Enderson? Foi de Incensado a lixo, sem ninguém conseguir reconhecer que sim,foi com ele que o Flu teve o melhor momento do ano.

Se a torcida do Flu é mal acostumada com time,elenco e técnicos,a voz dela nas redes e blogs não deveria ser o pior tipo de torcedor,pelo papel e eco que possui, deveria ser mais inteligente,responsável,mas não é.

Mário e Simone erraram demais esse ano, mas acertaram demais esse ano. É preciso cobrar os erros sem jogar os acertos pela janela.

A não ser que a lógica de quem escreve seja a de ser veículo de oposição interna do clube, ai é legítimo transformar o escrito em panfleto, desde que se assuma o viés. E desde que não use espaço privilegiado em grandes portais pra isso. Não é oposição interna? Então que tal menos arroubo chiliquento de torcedor comum e mais serviço público?

Vamos listar erros e acertos?

Pra mim aos acertos foram uma busca de técnicos com perfil de trabalhar com elencos formados por uma mescla de jovens e apostas, buscar apostas que contam com acertos inegáveis em Vinícius e Giovanni, acertos médios em Lucas Gomes e Victor Oliveira (que se ficarem precisam maturar,mas podem ser úteis) e erros crassos como João Felipe e Breno Lopes; O aproveitamento da base foi excelente, do uso de Kennedy e Gérson, a consolidação do Marlon, o uso do Léo, Douglas e Ayrton, a busca de ressuscitar o Robert, de subir o Nogueira,etc; A renovação de Fred, Gum, Cavalieri, Jean e Cícero foram fundamentais acertos e nos permitem sonhar com 2016 (Mesmo com Jean saindo); A aquisição do Edson foi um belo acerto, a vinda de Pierre também.

E os Erros? Muitos também, o principal foi não ter noção exata de que técnico queríamos, depois foi não saber dimensionar os limites de elenco,caixa e técnicos com relação aos objetivos no campeonato, pra piorar ao ouvir a voz de Cristóvão a Enderson, passando pelo Drubsky, que queriam “jogadores maduros para dar experiência ao elenco”, trouxemos os caros Wellington Paulista,Osvaldo,R10. Não incluo Magno Alves porque este foi minimamente útil e não chega a ser caro.

Os dois primeiros erros construíram os erros das contratações. Por que? Porque não é um critério de compreensão de que técnicos preferimos a informação “é bom trabalhando com jovens e apostas”. Pra contratar técnico tem de se saber que metodologia de treinamento tem, como ele estudou ou atua no cotidiano, se lida bem com variedade geracional no elenco, se analisa bem comportamentos e variações de compreensão cotidiana do jogador, se sabe administrar altos e baixos da torcida, dos jogadores e da diretoria,financeiros inclusive,etc.

Qual a semelhança entre Cristóvão, Drubsky, Enderson e Eduardo Baptista? Só a de que trabalham bem a base, sendo que Drubsky e Enderson mostraram que essa fama é injusta,pois ambos não souberam lidar com nossos jogadores jovens. Cristóvão é péssimo na armação do sistema defensivo e tem péssima leitura do jogo. Enderson não sabe lidar com ego de jogador e sequer consegue organizar uma equipe com linhas próximas, troca de passes e intensidade, é ainda adepto de linhas fixas. Drubsky sabe disso tudo teoricamente,mas organizou uma equipe em moldes antigos e admitiu a jogadores que não sabia lidar com a pressão de time grande. Eduardo Baptista é o único de todos que sabe lidar com pressão de time grande, é moderno e sabe trabalhar com os jogadores,entendendo as idiossincrasias de cada um,jovens ou experientes.

Se Eduardo Baptista era o sonho de consumo do clube, por que foi o último a ser contratado? Nem Simone sabe contratar técnico com base em perfil técnico dele? Duvido. Quem gerenciou uma base como a nossa sabe sim,mas algo,talvez a própria presença e peso do Mário, não o permitiu agir. Não havia mais nenhum outro técnico neste perfil quando Eduardo Baptista não havia aceitado vir?

E os objetivos no Campeonato? Em qualquer Football Manager a diretoria sabe que objetivo quer no início do ano, sabíamos? Sabíamos: Sobreviver e sermos competitivos, o que concretamente mudou no meio tempo? Nada, mas o desempenho do time obliterou o bom senso da direção de futebol,dai surtou-se e contratou-se R10 e seus blue caps.

Isso tudo junto, contextualizando dá pra fazer uma análise se o ano foi bom ou não.

Se analisar só o fim do ano e só a partir do desempenho esportivo, como via de regra nossos corneteiros com poder e eco usam como critério, o ano foi péssimo.

Se a gente analisar de Janeiro a Dezembro o ano foi bom.

Primeiro porque sobrevivemos ao apocalipse anunciado pelos jornais com a saída da Unimed. Segundo porque apesar da nossa própria desconfiança com Xerém, estabelecemos Xerém como nossa La Masia, nossa canteira que fornece jogadores que nos fazem competitivos, e para além de Gérson, Scarpa,MJ, Marlon, mas com Léo, Ayrton, Douglas, Nogueira e vem mais por ai (Biro Biro entre eles). Terceiro porque fomos campeões brasileiros sub-20 e temos ali elenco pra o futuro. Quarto porque temos hoje um germe de uma equipe competitiva que com poucos reforços pode ir além disso,em especial colocando como meta de 2016 chegar à Libertadores, ganhar a Copa Primeira Liga e usar mais de 50% do elenco com a base. Quinto porque consolidamos Fred como imenso ídolo e temos técnico moderno,capaz de tornar nossos meninos ainda melhores a partir de uma boa pré-temporada e do trabalho diário.

Isso tudo torna um ano turbulento em um ótimo ano, e como foi em 2009 e 2011, ano de saltarmos para além.

E por isso acho fundamental que Mário/Simone fiquem, e que se reorganizem com as lições de 2015.

PS: Eu se votasse voltaria no Mário pra presidente, deixo claro porque meu viés eu assumo.

Uma carta ao lixo humano reaça

O ódio

Uma carta ao reaça de almanaque, ao babaquinha chupa rola que é Reaça por moda, o branquelo universitário que quer andar armado pra que um malandro macho tome a arma dele com um tapa e ainda mije na cara dele, ao advogado imbecil machista que acha que aprendeu a viver sendo esmagado enquanto pessoa no exército e acha que LGBT e mulher são lixo humano.

Eu quero que se foda teu direito pessoal de andar armado, teu medo do mundo, sua ausência completa de capacidade de existir em coletividade e espero que você morra de câncer, sem nenhum tipo de morfina, que sangre até derreter.

Esse é teu paraíso, onde morrem ecossistemas inteiros, onde centenas ou mais pessoas morrem em ataques terroristas, onde a cada terremoto no Japão pode nascer uma nova tragédia ambiental via destruição de usinas nucleares a partir de Tsunamis.

Sim, esse é teu paraíso, o paraíso que alimenta teu medo,esse medo que vira ódio, individualismo cego,tosco,irresponsável,analfabeto funcional e arrogante ao mesmo tempo.

Eu vou sobreviver a ela, porque lutar é minha vida, sem cagaço, sem pedido de pinico e um canalha fardado qualquer. Você não, você tremerá de cagaço travestido de triunfo todo dia, com medo de ir,vir,respirar,foder,comer,viajar de avião.

E essa é a minha vitória. Você se caga de medo do mundo, eu bebo o mundo de talagada.

Euvou sobreviver nesse mudno que você destruiu com seu medo, eu vou esfregar na tua fuça medíocre essa vitória que consiste em jamais desistir ou ajoelhar pedindo perdão a bundões como você.

Você tem medo de pensar e enfrentar o universo que é você, eu me expando universalmente sendo a mim mesmo e todos os que me amam.

Você tem medo do outro, eu transo com o outro.

Vocêr tem medo de morrer e eu passo a morte na espada.

Você vai morrer de câncer pedindo morfina, talvez eu também,mas eu sei o porque, o teu câncer nasceu do medo.

Eu sei quem eu sou,você é medo.

Vocè já morreu congelado em si mesmo, enquanto eu queimo no meio dos destroços construindo armadilhas que tentam ser novos mundos.

Continue se cagando.